Pesquisar neste blogue

A carregar...

quinta-feira, 28 de abril de 2011

HEPATITE

Hepatite Fulminante ou Falência aguda do fígado por Intoxicação pelo paracetamol



 Por: Dra. Eloiza Quintela

23 de Agosto de 2009


Hepatite Fulminante ou Falência aguda do fígado por Intoxicação pelo paracetamol
O paracetamol (Tylenol) é uma das drogas mais vendidas em todo mundo e diversos casos de intoxicação com desenvolvimento de hepatite, inclusive na forma fulminante, que caracteriza-se por uma alteração aguda e grave da função hepatocelular secundária à Toxicidade induzida por altas doses do medicamento.Tem um início rápido e segue um curso curto e severo.

O paracetamol e suas associações são vendidos sem prescrição médica. Por sua eficácia comprovada como analgésico e antitérmico e pela baixa incidência de efeitos colaterais, tornou-se a droga de escolha em crianças e adultos que têm queixas gastrointestinais. A toxicidade é dose dependente e níveis séricos acima de 300ug/ml, 4horas após ingestão, estão associados a hepatite fulminante em 90% das vezes. O total da dose administrada, quando conhecida, também auxilia na avaliação prognóstica. Doses abaixo de 150mg/Kg raramente levam às formas mais graves de hepatite.

Os sintomas iniciam-se logo após a ingestão do paracetamol. Náuseas, vômitos e dor abdominal são comuns e tendem a melhorar em algumas horas. Alguns casos podem gerar coma. Após 48 horas podem aparecer: aumento progressivo de bilirrubinas com icterícia(amarelão), aumento do tempo de protrombina culminando com fenômenos hemorrágicos e alterações do sensório caracterizando a falência hepática fulminante.

A mortalidade descrita está entre 6 e 25% e fatores que indicam mau prognóstico são nível de bilirrubina > 4mg/dl e tempo de protrombina acima de 60 segundos, que continua aumentando depois do terceiro dia de doença. A hipoglicemia é um achado tardio que reflete a gravidade da disfunção hepática.

A maioria dos pacientes jovens se intoxica ao ingerir o paracetamol na tentativa de cometer algum tipo de atentado contra a própria vida. Nos EUA, já é a droga mais usada com este propósito.

O termo hepatite fulminante refere-se “a condição potencialmente reversível, em conseqüência de dano hepático severo, com um início do quadro de encefalopatia dentro de 8 semanas após o aparecimento dos primeiros sintomas e na ausência de doença hepática pré - existente”, ou seja acomete pessoas normais, sadias e que passam pelo uso indiscriminado de uma substancia.

A recuperação espontânea da função hepática é de 70% na encefalopatia hepática graus I e II, e menor que 20% nos graus III e IV. A mortalidade se aproxima de 80% sem o transplante hepático. Os resultados do transplante são excelentes em centros experientes, atingindo sobrevida de 90% em 1 ano.
Dra.ELOÍZA QUINTELA é gastroenterologista e Hepatologista especialista no Tratamento de Doenças do Fígado no Hospital Albert Einstein (SP), Cirurgiã de Transplantes de Fígado-Unidade de Fígado- SP- Médica cirurgiã I.I.Emilio Ribas- Membro da Sociedade Brasileira de Hepatologia e Assoc. Brasileira de Transplantes de Órgãos-ABTO. www.doencasdofigado.com.br – Email: quintela@usp.br (11) 5052-1087 - (11) 5056-0931

Sem comentários:

Enviar um comentário

Health Tip of The Day